ENTRADA


“Pode ir armando o coreto.
E preparando aquele feijão preto.
Eu tô voltando.
Põe meia dúzia de Brahma pra gelar.
Muda a roupa de cama
Eu tô voltando”

Paulo César Pinheiro e Maurício Tapajós

PRATO PRINCIPAL


Que é que você troxe na marmita, Dito?
Troxe ovo frito, troxe ovo frito
E você beleza, o que é que você troxe?
Arroz com feijão e um torresmo à milanesa,
Da minha Tereza!

Adoniran Barbosa e Carlinhos Vergueiro

Para participar do Circuito Gastronômico de Favelas não há ingredientes obrigatórios. Todo o lucro sobre as vendas dos produtos vai para os atores gastronômicos. O entorno também é amplamente beneficiado (padarias, mercearias, sacolões e pequenos comércios locais). “O mais interessante dessa liberdade é que chegamos a um evento bastante espontâneo em todos os sentidos. Do primeiro ano para cá, percebemos como os participantes estão entusiasmados, com receitas inventivas, tanto na elaboração quanto nos nomes. Eu me sinto muito feliz em fazer parte desse momento porque são pessoas fortes, são sobreviventes”, explica Danusa.

Pó de quiabo para incrementar o frango nosso de todo dia ou do domingo; uma típica Paella, só que mineira; o inusitado creme de dobradinha e, como não poderia faltar, uma comida para os orixás: Ajeum D´Xangô. Bolos de pote e delícias que vem do legado das quitandas mineiras marcam presença no evento. Faça sua rota!

O Circuito Gastronômico de Favelas é comida boa, é a qualificação de atores gastronômicos, é o aquecimento da economia, é a criação de uma rede afetiva e solidária. Não poderia deixar de ser a vitrine da cultura dos morros, favelas e vilas de uma cidade e seu entorno tão pulsantes.

Todas atividades contam com uma animada roda de samba comandada pelo Samba de Vera, cuja formação homenageia o Alto Vera Cruz, uma das comunidades mais pulsantes da capital mineira, e de onde surgiram Flávio Renegado, as Meninas de Sinhá e o próprio Circuito. Flávio Renegado, que já cravou seu nome como um dos principais artistas, compositores e ativistas do rap nacional estará ao lado da compositora e intérprete Manu Dias. Ela é um expoente do samba no Estado e seu talento vem sendo reconhecido pelo público e pela mídia. Djs, Vjs, Mcs e grafiteiros, amigos e moradores de cada uma das comunidades vão interagir com os integrantes da banda, que mescla artistas do morro e do asfalto. Serão rodas para lá de animadas.

Nos dias 11 e 12 de agosto, sábado e domingo, a rua Sapucaí, na Floresta, será o palco do encerramento do Circuito Gastronômico de Favelas, que vai receber, em grande estilo, os 25 cozinheiros e cozinheiras numa festa cheia de cores, aromas e sons. Trata-se de uma grande confraternização, com uma infraestrutura completa para participantes e público. Haverá tudo que temos de melhor: comida, cultura, hospitalidade, ritmo, poesia e uma vista de cartão postal. A ideia não é competir, mas agregar. Não perca!

SOBREMESA


Jujuba, bananada, pipoca,
Cocada, queijadinha, sorvete,
Chiclete, sundae de chocolate,
Paçoca, mariola, quindim,
Frumelo, doce de abóbora com coco,
Bala juquinha, algodão doce e manjar

Marisa Monte

Ficha técnica

Realização
Casulo Cultura

Idealização e Direção Geral
Danusa Carvalho

Coordenação Geral
André Carvalho

Produção
Full Produções

Produtor executivo
Tomás Dias

Produção
Everton Vieira

Incentivo social
Associação Arebeldia

Gestão
Cristina Brasil

Produção
Pablo Gustavo

Design
Hard Work

Designer
Diogo Fraga

Assessoria de Imprensa
Noir Comunicação Total
Angela Azevedo, Ludmila Azevedo e Daniel Neto

Redes Sociais
Bernardo Cançado

Fotos e Filmagem
Maíra Cabral Duarte

Website
Julião Villas